domingo, 11 de junho de 2017

13 Ko Phi Phi/Bamboo/Monckey/Mergulhos - Dia 11/05/2017 - Deixa chover, deixa a chuva molhar, aqui no peito tem sol ardendo que nunca, nunca, vai apagar

Dia 11/05/2017

Acordamos e já estávamos prontinhas para descer com todas as coisas para nosso passeio de barco agendado para hoje, quando começou a cair uma chuvona.
Foto by Déa.

Falamos-nos pelo Whats e quando a chuva deu uma trégua, resolvemos descer e ver se o barqueiro estava lá, e se havia condições de navegar.

Foto by Dione.
As meninas nem argumentaram com ele se poderia deixar para amanhã, mas eu sinceramente acho que não era necessário, por que, no dia seguinte, se tivesse sol ou não, teria outro grupo que reservou para amanhã, creio que eles só cancelem o passeio se não houver condições de navegar, o que não era o caso. 

Tendo condições de navegar, o sol não é comprado...rs, então, passeio pago, lá fomos nós. (Baths 700 cada para passeio de 6 horas)
Foto by Déa
Deixamos o hotel apreensivas, pois, a chuva ia e voltava com força, mas nosso barqueiro, que não falava inglês e não nos entendia, parecia não estar preocupado. 
Foto by Déa.
No mar, só nós, era difícil ver um outro barco, e quanto mais longe a gente ia, mais apreensivas nós ficávamos, a chuva vinha direto na nossa cara, e não tinha como fugir dela, só nos cobrir com cangas, toalhas, o que fosse possível.

Foto by Déa.

A gente apontava para onde parecia não estar chovendo, para ele ir para lá...rs...mesmo que não tivesse praia...e ele ria...e dizia: "Está chovendo lá também...rs"

Avistamos Bamboo e o barqueiro queria parar numa prainha ao lado vazia, mas a gente começou a gesticular e apontar para a muvuca...rs... TODO MUNDO que a gente não encontrou no mar, na chuva, estava lá.

Foto by Déa.
A gente queria calor humano de baixo da chuva e lá foi ele, que já nos cobrou a taxa de Baths 400 (de preservação da natureza), que depois lembrei que barcos privativos eles cobram o dobro, não sei o motivo ta gente, só sei que li isso, e realmente aconteceu, pois Bamboo foi a única praia que paramos que cobra essa taxa (outra é a Maya Bay, que não fazia parte do nosso passeio, pois, dia 13 íamos fazer um passeio especialmente para lá, mas geralmente essa taxa é de Baths 200).


Foto by Déa.

A praia parece ter uma certa estrutura, e recebe esse nome pela plantação de Bambú, nós eramos as únicas de biquíni...rs

Eles ancoram o barco na praia mesmo, e as meninas tentaram ver com snorkel os peixes, mas até eles estavam na cama até mais tarde com a chuva.

Foto by Déa.

Nós não ficamos muito tempo nos lugares, por que, na verdade a gente estava era chateada com a chuva e sempre esperando que na próxima parada tivesse sol.

Mas tentei levantar a moral no barco, que só decaia como a chuva...cantando todas as músicas que lembrava com sol e animadas...rs
Tipo: Santa Clara clareou e se não parar de chover vai apanhar....mentira...cantei certinho. 



No caminho para uma área de mergulho, dá para ver a chuva forte caindo no mar e também barcos diferentões.

Foto By Déa.

Foto by Déa.

Nossa próxima parada foi a praia de Monckey Beach, onde os barqueiros alimentam os macacos e eles balançam de galho em galho fazendo festa, quem quiser pode descer do barco para nadar, tem uma prainha aos fundos...e eu fiquei vendo tudo do barco mesmo, pois, não sei nadar.



 Ache os macacos da mesma cor que as pedras...rs



No caminho para outra parte do passeio, todo mundo passa pela Vicking Cave, que é uma caverna protegida por seguranças armados, pois, lá se encontra um passarinho que produz (a saliva ou a merda, não entendi direito), um muco...rs, que é utilizado pelo Chineses como alimento e que dizem ser afrodisíaco.



Paramos em outra área para mergulho (nome?) e vou te contar as praias são lindas mesmo com chuva.

Muitas lanchas e todos tipos de barcos ancoram em todas as praias que a gente foi, são lugares turísticos e esse mocinho simpático nos puxou e amarrou no barco deles (notem as pessoas super preparadas...almoçando).



Muitas das selfies Secas e Molhadas:




A gente parou num lugar que tinha restaurante, mas a gente não quis almoçar não, tínhamos comprado batatinha, bolacha e comemos isso.

E por último a gente parou no lugar mais legal do passeio.

Entramos por essas pedras 


E creio que a prainha (nome?) estava vazia, por que, tinha uma corda, e acho que só barcos pequenos podem ancorar por lá. Acho que pela chuva, pelo horário, só tinha a gente por lá e era linda demais.




Todas as fotos acima são minhas

E nessa prainha linda, como dava pé, eu desci do barco novamente e tiramos uma selfie molhadas e molhadas, com minha amiga Dione.


Foto by Déa.


O Folder do nosso passeio era esse, mas a gente tinha trocado Maya Bay pela baía de Wah Long que dizem ser uma mini Maya Bay, mas como nós e o barqueiro não nos entendemos, e a sequência não foi seguida (já que paramos primeiro em Bamboo) e nós não paramos em tantos lugares como indica no folder, a gente meio que não sabe direito o nome dos lugares onde paramos...rs
Talvez essa prainha seja a Wah Long, vai saber...rs... eu espero e acho que sim, pois, é bem parecida.

Foto by Mi ou Marta? 


E essa foi a última parada e voltamos para o hotel, eu feliz, por que, eu sou muito contraditória, eu sou uma pessoa do contra muitas vezes, chata, mas eu sou uma pessoa que responde bem diante de dias cinza, mesmo que não seja engraçado no momento, eu já sei, já aprendi, que amanhã, talvez, esse dia seja o mais especial da sua vida.

Eu adoro ter uma história para contar, acho engraçado, acho que são muitas vezes quando tudo dá errado, que as histórias e as marcas ficam em nós.

Em viagens, com os amigos, a família (eu sou muito apegada a essa questão de que um segundo a vida da gente muda, pessoas partem, e tem que aproveitar cada segundo...rs), então, eu fico bem mais flexível e bem humorada, por que, me entrego á vida de braços abertos e nada é capaz de tirar meu sorriso do rosto, ainda mais uma coisa tão natural como a chuva, lógico que eu queria sol, que eu queria um passeio diferente, mas é o que temos para hoje, então, faça da chuva sua história para contar.

E feliz coloquei minha trilha sonora da viagem, sim eu fiz uma, e curti a paisagem, a chuva, e grata pelo dia, agradeci tudo que vi, tudo que senti, por que, vamos combinar que um dia de chuva em um barco na Tailândia, conhecendo lugares incríveis, vale mais (te garanto) que um dia no hospital ou na diálise.

Foto by Dione.


Depois, o Sérgio chegou do seu curso de mergulho e encontramos com ele no restaurante do hotel, as meninas desceram para comer com ele, e como eu e a Dione não fizemos isso, nós fomos até a cidade jantar.

Comemos no Madame Restô que tinha lido uma indicação. 
Comi meu décimo Pad Thai e estava bem gostosinho, apesar, dos camarões parecerem estar cru e de eu não ter conseguido comê-los.
Foto by Déa.
 E o chá gelado que estava delicioso.
Foto by Dione.
Esse restaurante é bem barato (Baths 160 – comida e chá) e simples.

Depois no caminho encontramos com o pessoal que tinha ido dar uma volta no centrinho, e seguimos com eles, fomos até perto do píer, que fica do lado direito do nosso hotel e onde rolava várias baladas na praia e shows gratuitos de fogos.

Eu e a Dione, nem quase chegamos, como tínhamos engatado um papo profundo, resolvemos voltar para o hotel conversando pela praia e pelo centrinho. 

Segue um vídeo que a Marta fez lindamente do show.



E assim eu e a Dione chorando, desaguamos igual a chuva, e dizem, que se você ri muito em um dia no outro você chora.

Então amanhã vai ter sol e vamos rir horrores. Clica aqui

E se você não leu o post do dia anterior, Clica aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário